Brincando

top-brincando

Quem não se lembra daquelas risadas contagiantes de doer a barriga? E dos momentos em que o tempo parece parar, que permanecem pra sempre na memória? Brincar é um instante puro de qualquer relação, um aprendizado sobre o mundo, sobre nós e sobre os outros. É quando observamos, questionamos e conhecemos.

Como um castelo fica de pé? Como a água cai e se movimenta? Por que ela escorre pelas mãos, mas fica no copo? Como se faz pra dar uma cambalhota? O que faz o outro rir, se surpreender, se assustar?

Boneca, história, corrida, escondido,
Susto, meleca, carrinho, bexiga,
Bola, desenho, barulho, “cosquinha”,
Lutar, rolar, cantar,
Sonhar, sorrir, lamber, cheirar…

Brincar é muito pessoal! São momentos de diversão, alegria, interesse, satisfação e intimidade: um encontro onde as melhores sensações se combinam harmoniosamente.

E os bebês? Eles também brincam? Ô, se brincam!
Brincam de ouvir os sons, morder o pé, jogar coisas no chão, lamber a mão… Brincam de ouvir a voz da mãe, de buscar seu olhar, de chamá-la e provocá-la, e de ensaiar suas escapadinhas e seus retornos. Divertem-se com “brinquedos” que nem são brinquedos! Tudo é possível e transformado por seus sentidos apurados e pelo desejo de conhecer e explorar cada pedacinho deste mundão.

frase-brincar

Aquele bebê, que antes só se sentia seguro para brincar com um adulto por perto, passa a brincar sozinho. E a brincadeira continua, sempre importante e cada vez mais complexa. Brinca de ser mil coisas: bruxa, princesa, monstro, dragão ou super-herói. Brincar vira jogo, vira relação, vira trocas, e uma simples brincadeira ganha outros contornos e propósitos. É brincando que a criança encontra recursos para enfrentar o que acontece, viver e reviver seus medos e desejos. Ela também aprende as regras, a convivência e o respeito pelo outro.

Brincar é coisa séria! Quando uma criança chama o adulto para uma brincadeira, isso é um convite para que ele conheça sua intimidade, sua vida. É importante tentar perceber os momentos de se jogar na brincadeira e aqueles em que devemos respeitar e observar a criança. Essa criança que pensa, que transforma, que sabe e que está sempre nos surpreendendo.

E para quem acha que os adultos não podem mais brincar: Ô se podem! E devem! Afinal, todos nós já brincamos um dia – é que às vezes nos esquecemos. Para brincar, precisamos nos permitir essa exposição e deixar de lado o escritório, o computador, as contas e as preocupações. Sentar no chão e soltar a imaginação é mais difícil do que parece. Mas, quando acessamos esse cantinho adormecido dentro de nós, encontramos, assim como a criança, a possibilidade de recriar um mundo diferente. E, quem sabe, até podemos nos tornar melhores pessoas, com idéias novas e criativas para enfrentar os problemas.

Brincando eu crio, exploro, construo vínculos e relações, amo… Brincar é se desenvolver da forma mais agradável e gostosa possível.

No Cadê Bebê, a brincadeira é livre. Claro, sempre mediada e respeitada, tanto para os bebês quanto para os que cresceram um pouquinho (e também um “poucão”). É um espaço onde muitos outros espaços podem ser imaginados.

Esperamos você e toda a sua família para brincar muito.

footer-internos